Por Daniel Patriota  

A apreciação da música sonnati, assim tradicionalmente conhecida na cultura iraniana, acompanha os instrumentos .  O “daf” e “tonbak”, da percussão, apresentados pelos músicos Naser Asgari e Reza Mahini, dão destaque a conhecida harpa, em uma composição típica que se assemelha  às antigas civilizações.

Em uma apresentação inédita na Escola de Música de Brasília, no dia 7 de maio, às 19:30, a Banda Navaye Mehr, composta pelos músicos Sr. Mahdi Ayoughi (Daf),Reza Mahini (vocal e Tar); Naser Asgari (Santoor e Tonbak) e Reza Yosefian (Vocal e Setar), toca para o público.

Segue a entrevista na íntegra, com mais detalhes.

DP-  O que o público de Brasília poderá esperar da apresentação?

Novidades, pois tocaremos músicas com instrumentos que são característicos do nosso país (músicas persas).

 DP-  Como é o ensino musical de instrumentos do Irã?

No Irã estes instrumentos são ensinados nas universidades e academias. A transmissão do conhecimento de geração em geração é algo significativo, são instrumentos típicos da nossa região.

DP-  Poderia nos explicar um pouco sobre os instrumentos típicos do Irã

Utilizaremos alguns instrumentos característicos de nosso país na apresentação ao público de Brasília. O Daf é um instrumento de percussão persa de madeira com inúmeras placas metálicas e a membrana geralmente de pele de cabra.

O Tar é um instrumento de cordas tocados em algumas regiões do Irã e próximas ao Cáucaso.

Este instrumento tem uma grande representatividade na cultura iraniana. O corpo do instrumento é esculpido a partir de uma peça de madeira, depois as cavidades são cobertas por uma membrana, a seguir o braço é encaixado e por fim as cordas afinadas.

O saantor é típico da música tradicional persa, possui 72 cordas, divididas em 18 ordens com 18 cavaletes móveis. A execução ocorre com pequenas baquetas de madeira.

 DP-  Vocês costumam ouvir música Brasileira ? Gostam de quais cantores e ritmos ?

Ainda não tivemos oportunidade, mas sabemos que existe uma diversidade musical muito grande no Brasil, assim como também existe no Irã.

 

Entrevista com o Embaixador do Irã, Seyed Ali Saghaeyan

DP-  Embaixador, o senhor poderia nos falar sobre algumas iniciativas que a Embaixada está realizando no Brasil para promover a cultura do Irã?

Primeiramente em Nome de Deus Agradecemos sua presença e do Correio Diplomático.

O Irã e o Brasil possuem relações diplomáticas de mais de 100 anos, com início em 1903.

Estas relações são desenvolvidas sobretudo no âmbito político e cultural.

A Embaixada do Irã no Brasil realiza várias iniciativas na promoção da cultura no Brasil. Cito como exemplo mostras de cinema iranianos que ocorreram em São Paulo e Salvador.

A produção de artesanato especializado do Irã é outro ponto cultural interessante e forte do nosso país. Já realizamos algumas exposições em São Paulo, promovido pela Embaixada.

Realizamos um encontro com o Ministério da Educação este ano e apresentamos algumas obras literárias do Irã.

A vinda da banda Navaye Mehr Band em Brasília é uma grande iniciativa da embaixada do Irã na promoção da cultura iraniana.

DP-  Embaixador, existe planejamento da Embaixada para promover outras atividades culturais programadas ainda em 2018 ?

Pretendemos realizar outras ações culturais no âmbito do Brasil, tais como: exposições, feiras gastronômicas e literárias, apresentações de grupos musicais mas ainda não temos o calendário de eventos culturais definidos.

No desenvolvimento das relações culturais Brasil-Irã temos uma boa parceria no Distrito Federal, como por exemplo um encontro recente  com o Ministro da Educação a fim de promover encontros com escritores dos dois países. Incentivos turísticos também fazem parte das atividades em vista.

 

Notícias em tempos de globalização

Comentários

comentarios

Share This